FORDISMO: progresso ou subalternização?

José Mario dos Santos

Resumo


A abordagem da Escola da Regulação defende com argumentos que no regime de acumulação fordista a relação salarial atuava como a instituição social chave e era a responsável direta pelo progresso social e material da sociedade de consumo de massas. A perspectiva gramsciana questiona a disseminação desses avanços para toda a sociedade e adota a hipótese do fordismo como uma submissão da classe operária às classes dominantes. Na verdade, o trabalhador foi manipulado por um projeto de hegemonia política e ideológica da burguesia industrial norte-americana que buscava neutralizar o movimento de emancipação do proletariado - inspirado na Revolução de Outubro. No final dos anos 60 este arranjo entrou em colapso provocando uma crise tanto do regime de acumulação como do modo de regulação. A relação salarial foi superada pela moeda como mediação social responsável por coordenar as ações descentralizadas dos agentes.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574