Plataformização do trabalho e empoderamento feminino: descompassos entre discursos e práticas

Maria Júlia T. Pereira, Célia Arribas, Ana Claudia Moreira Cardoso

Resumo


Tendo como pano de fundo o processo de constituição do “Capitalismo
de Plataforma”4, o presente artigo analisa o labor de mulheres em plataformas
digitais de trabalho no setor de transportes. Da mesma forma como ocorre no
mercado de trabalho formal, a segregação ocupacional generificada também
está presente no mercado informal. Assim, as plataformas adentram setores já
feminizados (como os de cuidado, beleza e saúde) ou masculinizados (plataformas
de reparos, entregas e transporte individual). No caso destas plataformas,
identificou-se que algumas que atuam no setor de transporte individual criam
programas específicos para incentivar a entrada de trabalhadoras, a partir de
uma narrativa que enfatiza questões caras às mulheres, como: flexibilidade, ganho
fácil, empoderamento e segurança contra assédio e violência. Apesar dessa
narrativa, a pesquisa realizada com condutoras da cidade de Juiz de Fora/
MG – cuja metodologia baseou-se na observação de um grupo de WhatsApp
exclusivo de condutoras – revela vivências de um trabalho com baixa remuneração,
insegurança, violência e forte perda remuneratória, quando as mesmas
decidem se utilizar da flexibilidade propalada pelas empresas. Tal cenário, considerando-
se a continuidade do espraiamento das plataformas para os mais
diversos setores, apenas explicita a necessidade de urgente ação do Estado, no
sentido de impedir o aprofundamento da precarização no trabalho.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574