A nova lei que institui o direito de vigilância na França: uma luz no fim do túnel contra a impunidade das grandes empresas transnacionais

Juliana Benício Xavier, Lucas Reis da Silva

Resumo


O presente ensaio propõe uma reflexão acerca da necessidade de superar o hiato existente entre os meca

O presente ensaio propõe uma reflexão acerca da necessidade de superar o hiato existente entre os mecanismos insuficientes de responsabilização das empresas transnacionais, de um lado, e a forma de organização de suas cadeias de produção, cuja atuação se dá transpondo os limites das fronteiras estatais, alcançando todo o globo. As grandes empresas controladoras, beneficiárias finais do processo produtivo, detêm um enorme poder econômico e, atualmente, se apresentam como potenciais violadoras dos direitos humanos, colocando em risco o respeito a normas ambientais e trabalhistas. A inexistência de uma norma internacional que as obrigue, de forma homogênea, a prevenirem e/ou repararem os danos a direitos fundamentais enseja, no âmbito interno dos países onde atuam, uma discussão sobre a necessidade da due diligence por parte destas empresas. Atento a isso, o parlamento francês aprovou, por pressão do movimento sindical e de entidades de defesa do meio ambiente, a lei 399-2017, que criou para as grandes empresas transnacionais que atuam naquele país a obrigação de exercer a vigilância de todo seu processo produtivo, desde a produção da matéria prima, passando pelo fornecimento dos insumos, até a venda do produto ao consumidor final. Essa lei é bastante inovadora, pois reconhece que aquele ente empresarial que rege o processo produtivo como um todo também tem responsabilidade sobre ele. Resultado de uma ampla mobilização, essa lei, apesar de aprovada pelo parlamento francês, deve ter impactos diretos sobre a atuação dessas empresas em diversas regiões do globo, visto que as empresas a quem se dirige a lei do “dever de vigilância” atuam não somente em solo francês, mas em todo o planeta. E de forma indireta, essa lei já tem causado outros impactos, já que diversos países da União Europeia começam a travar discussões a respeito da responsabilidadesss das grandes empresas por violações a direitos fundamentais em suas cadeias de produção. Sendo assim, esse ensaio busca apresentar o problema da dificuldade da responsabilização das grandes empresas por violações a direitos humanos e, em que medida, a lei que institui o devoir de vigilance na França pode ser uma luz no fim do túnel para sua superação.

nismos insuficientes de responsabilização das empresas transnacionais, de um lado, e a forma de organização de suas cadeias de produção, cuja atuação se dá transpondo os limites das fronteiras estatais, alcançando todo o globo. As grandes empresas controladoras, beneficiárias finais do processo produtivo, detêm um enorme poder econômico e, atualmente, se apresentam como potenciais violadoras dos direitos humanos, colocando em risco o respeito a normas ambientais e trabalhistas. A inexistência de uma norma internacional que as obrigue, de forma homogênea, a prevenirem e/ou repararem os danos a direitos fundamentais enseja, no âmbito interno dos países onde atuam, uma discussão sobre a necessidade da due diligence por parte destas empresas. Atento a isso, o parlamento francês aprovou, por pressão do movimento sindical e de entidades de defesa do meio ambiente, a lei 399-2017, que criou para as grandes empresas transnacionais que atuam naquele país a obrigação de exercer a vigilância de todo seu processo produtivo, desde a produção da matéria prima, passando pelo fornecimento dos insumos, até a venda do produto ao consumidor final. Essa lei é bastante inovadora, pois reconhece que aquele ente empresarial que rege o processo produtivo como um todo também tem responsabilidade sobre ele. Resultado de uma ampla mobilização, essa lei, apesar de aprovada pelo parlamento francês, deve ter impactos diretos sobre a atuação dessas empresas em diversas regiões do globo, visto que as empresas a quem se dirige a lei do “dever de vigilância” atuam não somente em solo francês, mas em todo o planeta. E de forma indireta, essa lei já tem causado outros impactos, já que diversos países da União Europeia começam a travar discussões a respeito da responsabilidade das grandes empresas por violações a direitos fundamentais em suas cadeias de produção. Sendo assim, esse ensaio busca apresentar o problema da dificuldade da responsabilização das grandes empresas por violações a direitos humanos e, em que medida, a lei que institui o devoir de vigilance na França pode ser uma luz no fim do túnel para sua superação.

Palavras-chave


Empresas transnacionais, violações a direitos trabalhistas, proteção ao meio ambiente, responsabilização.

Texto completo:

PDF

Referências


BUSINESS HUMAN RIGHTS. Grupo de trabalho das nações unidas sobre empresas e direitos humanos - mandato. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2020.

COHEN, M. Between offenders and victims: the civil dimension of universal jurisdiction. Revista do Instituto Brasileiro de Direitos Humanos, v. 11, n. 11, p. 141-153, 2011.

GLOBAL JUSTICE NOW. Lista das entidades econômicas. [s.d]. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2020.

HOMA, Centro de Estudos de Direitos Humanos e Empresas (Org.). Editorial. In: Revista Internacional de Direitos Humanos e Empresas. V. 01.Juiz de Fora: Homa, 2016.

LEGIFRANCE. Le service public de la diffusion du droit. Observations du gouvernement sur la loi relative au devoir de vigilance des sociétés mères et des entreprises donneuses d'ordre. 2017. Disponível em: https://www.legifrance.gouv.fr/affichTexte.do;jsessionid=B2D28DE85CE9CF83AF74562A77E49AF8.tplg fr33s_3?cidTexte=JORFTEXT000034290672&dateTexte=29990101>. Acesso em: 11 abr. 2020.

MEYER, J. A.; HATHAWAY, O. A. Suplemental Brief of Yale Law School Center for Global Legal Challenges as Amicus Curiae in Support of Petitioners. Supreme Court of The United States. Esther Kiobel et al. v. Royal Duthc Petroleum Co. et al., jun. 2012. p. 2. Disponível em: http://documents.law.yale.edu/kiobel-v-royal-dutch-petroleum-yale-law-school-center-global-legal-challenges-amicus-curiae-brief-so.

OLSEN, Ana Carolina Lopes; PAMPLONA, Danielle Anne. Violações a direitos humanos por empresas transnacionais na América Latina: perspectivas de responsabilização. Revista Direitos Humanos e Democracia, Ano 7 nº 13, Jan./Jun. 2019. Disponível em http://dx.doi.org/10.21527/2317-5389.2019.13.129-151

PETITJEAN, Olivier. Devoir de Vigilance: une victoire contre l´impunité des multinationales. Éditions Charles Léopold Mayer, Paris.

SCHILLER, Sophie (org.) Le devoir de Vigilance. Centre de Recherche Droit Dauphine. LexisNexis, 2019.

ZUBIZARRETA, Juan Hernandez. Las empresas transnacionales frente a los derechos humanos: historia de uma assimetria normativa. De La responsabilidade social corporativa a las redes contrahegemonicas transnacionales. Madrid: Hegoa, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574