Assimetrias entre gêneros no mercado de trabalho brasileiro: crise e políticas públicas

Anita Kon

Resumo


Este trabalho objetiva subsidiar o conhecimento da situação assimétrica entre gêneros no mercado de trabalho brasileiro. Apresenta inicialmente considerações teóricas sobre estas disparidades, que resultam em bloqueios estruturais ao desenvolvimento econômico. Em seqüência uma análise empírica avalia a desigualdade ocupacional brasileira segundo gênero, incluindo as diferenças nos rendimentos médios, que tendem a se exacerbarem no país como efeito da crise econômica atual. Finalmente são discutidas as necessidades de implementação de políticas públicas para a correção das assimetrias, desde que políticas globais de apoio ao trabalho que não incorporem a abordagem de gênero, tendem a determinar a permanência de desvantagens femininas.


Texto completo:

PORT ENG

Referências


ABRAMO, Laís y TODARO, Rosalba, “Costos Laborales y reproducción social: análisis comparativo de cinco países latinoamericanos”, en Cuestionando un mito: Costos laborales de hombres y mujeres en América Latina, OIT, Chile, 2002

ABRAMO, Laís y TODARO, Rosalba, “Genero y Trabajo en las decisiones empresariales” em Inserción laboral de las mujeres en Chile: el punto de vista empresarial, Centro de Estudios de la Mujer, Chile, 1998.

BALTAR, P. E. A. ; LEONE, Eugenia T. “A mulher na recuperação recente do mercado de trabalho”. Revista Brasileira de Estudos da População, v. 25, p. 233-249, 2008.

BANDEIRA, Lourdes e BITTENCOURT, Fernanda, Desafios da Transversalidade de Gênero nas Políticas Públicas, UnB, Brasília, 2004.

BANDEIRA, Lourdes, Transversalidade na perspectiva de gênero nas políticas públicas, CEPAL; SPM, Brasília, 2005.

BECKER, Gary S., Human capital:A Theoretical and Empirical Analysis with Special Reference to Education, University of Chicago, Chicago, Ill, 1993.

BENERIA, Lourdes (1995), “Toward a greater integration of Gender in Economics”, em World Development, Vol.23, N. 11. (Documento PRIGEPP, 2005).

BETTIO, Francesca, “Segregación y Debilidad. Hipótesis alternativas en el análisis de Mercado de Trabajo” em La recerca delle donne, studi feminista in Italia. Rosenberg& Séller, Turín, Itália, 1987. (Documento PRIGEPP, 2005).

BETTIO, Francesca, “The Pros and Cons of Occupational Gender Segregation in Europe”, em Journal of Applied Behavior Analysis, Vol.28, 2009.

BERQUÓ, E. S. . “Perfil demográfico das chefias femininas no Brasil”, em Cristina Bruschini; Sandra Unbehaum. (Org.). Gênero, democracia e sociedade brasileira. 1ed.São Paulo: Editora 34, 2002, v. 1.

BRUSCHINI, Cristina, Trabalho doméstico:inatividade econômica ou trabalho não – remunerado?, Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais , Caxambu- 2006

CAMBOTA, Jacqueline Nogueira e PONTES, Paulo Araújo, “Inequality of incomes for gender in Brazil, 2004” , Revista Economia Contemporânea , 2007, vol.11, no.2,

DOMBOIS, Rainer. La pérdida de la época dorada? La terciarización y el trabajo en las sociedades de industrialización temprana. Santiago de Chile: Centro de Estudios de la Mujer, 1999.

GARDNER, Jean, El trabajo doméstico revisitado: una crítica feminista de las economias neoclásica y marxista. Conferencia Internacional “Out of the Margin”, Amsterdan, Holanda, 1993.

HOFFMAN, Saul D. Labor Markets Economics, Prentice-Hall, New Jersey, 1986.

IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, Rio de Janeiro, CD ROM- Microdados, 1999 e 2005.

IBGE, Pesquisa Mensal de Emprego, Rio de Janeiro, 2009. www.ibge.gov.br

JACOBSEN, J. P., The Economics of Gender, Blackwell, Massachusetts, USA, 1998.

JASMINE, Gideon, “Looking at economies as gendered structures: an application to Central America”, em Feminist Economics, 5 (1), Routledge, 1999.

KON, Anita, A Estruturação Ocupacional Brasileira: uma Abordagem Regional, SESI, Brasília, 1995.

KON, Anita, Segmentación e informalidad del trabajo en las empresas en una perspectiva de género, FLACSO/PRIGEPP, Buenos Aires, 2005. www.prigepp.org.

KON, Anita, A divisão do trabalho no Brasil segundo gênero: repercussões sobre 0 desenvolvimento econômico, Relatório de Pesquisas CNPq, 2007.

MINCER, Jacob, “Investment in human capital and personal income distribution”, The Journal of Political Economy, LXVI (4):281-302, august/1958.

MPOG, Plano Plurianual 2004-2007 – PPA: projeto de Lei. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão/ Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. Brasília, 2003.

OCDE, Gender and Economic Empowerment of Women, Paper N.3, Geneve, 2007.

OIT, Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego, OIT, Brasília, 2005.

OIT, Relatório: Tendências Mundiais do Emprego das Mulheres, Genebra, 2009.

RIMA, Ingrid H., Labor Markets in a Global Economy, London, M.E. Sharpe, 1996.

SABORIDO, M., Ciudad y Relaciones de Género, CEPAL, Santiago de Chile, 1999.

SCHULTZ, Teodore W., “Investment in Human Capital”, American Economic Review, 51(1): 1-17, 1961.

SOMAVIA, Juan, Report of the Director-General: Tackling the global jobs crisis Recovery through decent work policies, OIT, Geveve, 03/06/2009. www.ilo.org.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574