Faces da Resistência: as percepções de metalúrgicos sindicalizados sobre o lean manufacturing

André Rodrigues Iusif Dainez, Valéria Rueda Elias Spers, Valdir Iusif Dainez

Resumo


Foi estudada, por meio de um questionário demográfico e com aplicação de escala de concordância de cinco pontos, a percepção de uma amostra composta de trabalhadores sindicalizados do setor metalúrgico sobre as novas formas de organização do trabalho e a ação sindical. A amostra é composta, em sua maioria, por trabalhadores entre os 31 a 50 anos, do gênero masculino, que possuem pelo menos o Ensino Médio Completo, cuja renda salarial se situa acima dos R$ 4000,00 e exerce cargos não administrativos. Os trabalhadores pesquisados, em sua maioria, percebem o aumento das exigências e funções no trabalho, percebem a substituição de trabalho vivo dentro da produção, sentem-se inseguros frente à estabilidade no emprego e quanto à preocupação da empresa em que trabalham frente a esta questão e reconhecem a importância da ação sindical frente a estes problemas.


Palavras-chave


Organização do Trabalho; Reestruturação Produtiva; Sindicato.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Perry. (1980), “Possibilidades e Limites do Sindicato”. Revista Oitenta, 3: p.41-57.

ANTUNES, Ricardo. (2002), “As Novas Formas de Acumulação de Capital e as Formas Contemporâneas do Estranhamento (Alienação)”. Caderno Crh, 37: p.23-45.

BALTAR, Paulo Eduardo de Andrade; KREIN, José Dari. (2013), “A Retomada do Desenvolvimento e a Regulação do Mercado de Trabalho no Brasil”. Caderno CRH, 26, 68: 273-292.

BORGES, Célia Regina Congilio. (2006), “Karl Marx, os sindicatos e a Central Única dos Trabalhadores frente à reestruturação do capital”. Anais do Grupo de Estudos de Política da América Latina. Trabalho apresentado no II SIMPÓSIO ESTADUAL LUTAS SOCIAIS NA AMÉRICA LATINA. Disponível em http://www.uel.br/grupo-pesquisa/gepal/segundosimposio/celiareginacongilioborges.pdf, consultado em 17/5/2017.

CARDOSO, Adalberto Moreira. (2015), “Dimensões da Crise do Sindicalismo Brasileiro”. Caderno Crh, 28, 75: 493-510.

CARNEIRO, Ricardo. (2002), Desenvolvimento em Crise: A Economia Brasileira no Último Quartel do Século XX. São Paulo, UNESP/UNICAMP.

CENTRO DE ESTUDOS SINDICAIS E ECONOMIA DO TRABALHO (Campinas). Unicamp. (2017), Dossiê Reforma Trabalhista. Campinas, IE-UNICAMP. Disponível em http://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2017/06/Dossie_FINAL.pdf, consultado em 2/9/2017.

COLLINS, Jill; HUSSEY, Roger. (2005), Pesquisa em Administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2ª edição, Porto Alegre, Bookman.

CORIAT, Benjamin. (1994), Pensar pelo Avesso. Rio de Janeiro, UFRJ/Revan.

DAINEZ, Valdir Iusif. (1997), O Desafio do Emprego: Um Estudo Sobre a Relação entre Mercado de Trabalho e Globalização. Dissertação de Mestrado, IFCH – UNICAMP, Campinas.

KREIN, José Dari; DIAS, Hugo Rodrigues; COLOMBI, Ana Paula Fregnani. (2015). “As centrais sindicais e a dinâmica do emprego”. Estudos Avançados, 29, 85: 121-135.

MARX, Karl. (2013), O Capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo, Boitempo.

MORAES NETO, Benedito Rodrigues de. (1986), “Maquinaria, taylorismo e fordismo: a reivenção da manufatura”. Revista de Administração de Empresas, 26, 4:.31-34. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rae/v26n4/v26n4a03.pdf, consultado em 09/8/2016.

PERES, Marcos Augusto de Castro. (2004), “Do Taylorismo/Fordismo à Acumulação Flexível Toyotista: novos paradigmas e velhos dilemas”. Intellectus: Revista Acadêmica Digital da Faculdade de Jaguariúna, 2:.01-50.

SILVA, Felipe Luiz Gomes e. (2006), “Gestão da subjetividade e novas formas de trabalho: velhos dilemas e novos desafios”. Revista Espaço Acadêmico, 56.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574