Probabilidade de desemprego entre os jovens brasileiros em 2005 e 2015

Pedro Henrique Souza Nadú

Resumo


Este estudo teve como objetivo analisar a probabilidade de desemprego entre os jovens brasileiros com base nos microdados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio – PNAD de 2005 e 2015. Para tanto, desagregou-se a população jovem em três faixas etárias, uma vez que o desemprego impacta diferentemente entre eles e, em seguida, estimou-se o modelo Logit binomial de regressões probabilísticas. Os principais resultados mostram que os jovens-jovens e os jovens-adultos apresentaram maior probabilidade de estarem desempregados do que os trabalhadores com mais de 30 anos de idade, bem como os indivíduos não brancos em relação aos brancos. A probabilidade de desemprego foi menor entre os jovens que possuíam mais experiência no mercado de trabalho, sinalizando maior peso desta variável do que a própria escolaridade para a manutenção de seus empregos, no período analisado.


Palavras-chave


Probabilidade de desemprego; Logit binomial; Jovens brasileiros.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, J. P. F.; ANTIGO, M. Desemprego e qualificação da mão de obra no Brasil. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 20. n. 2. p. 308-335, 2016.

CAMARGO, J. M.; REIS, M. C. Desemprego: o custo da desinformação. Revista Brasileira de Economia, v. 59, n. 3, p. 381-5425, 2005.

CORSEUIL, C. H; FOGUEL, M.; GONZAGA, G.; RIBEIRO, E. P. A rotatividade dos jovens no mercado de trabalho formal brasileiro. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Boletim Mercado de Trabalho, Rio de Janeiro, v. 55, p. 23, ago. 2013.

CUNHA, D. A.; ARAÚJO, A. A.; LIMA, J. E. Determinantes do desemprego e inatividade de jovens no Brasil metropolitano. Revista de Economia e Agronegócio, v. 9, n. 3, p. 369-392, set./nov. 2011.

DEDECCA, C. S. Conceitos e estatísticas básicas sobre mercado de trabalho. Economia e trabalho: textos básicos. Campinas: Unicamp, p. 95-111, 1998.

FERNANDES, R.; PICCHETTI, P. Uma análise da estrutura do desemprego e da inatividade no Brasil metropolitano. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v.29, n.1, p.87-112, abr. 1999.

GREENE, W. Econometric analysis. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 2003. 828 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD). Microdados PNAD 2005. Disponível em:

pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?=&t=microdados>. Acesso em: 14 de mar. 2018.

______. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD). Microdados PNAD 2015. Disponível em:

por_Amostra_de_Domicilios_anual/microdados/2015/>. Acesso em: 14 mar. 2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Mercado de trabalho: conjuntura e análise. nº 60, Brasília, 2016. Disponível em:

images/stories/PDFs/mercadodetrabalho/160509_bmt60.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2018.

MENDONÇA, G. M. et al. Determinantes da inserção de mulheres jovens no mercado de trabalho nordestino. Revista de Economia do Nordeste, v. 43, n. 4, p. 161-174, 2012.

PRONI, M. W. Teorias do desemprego: um guia de estudo. Instituto de Economia – Unicamp, Campinas, n. 259, ago. 2015.

REIS, M. C.; CAMARGO, J. M. Desemprego dos Jovens no Brasil: Os Efeitos da Estabilização da Inflação em um Mercado de Trabalho com Escassez de Informação. Revista Brasileira de Economia (RBE), Rio de Janeiro, v.61, n.4, p.493-518, out-dez. 2007.

SANTOS, A. L.; GIMENEZ, D. M. Inserção dos jovens no mercado de trabalho. Estudos Avançados, São Paulo, v. 29, p. 153-168, 2015.

SILVA, N. D. V.; KASSOUF A. L. A exclusão social dos jovens no mercado de trabalho brasileiro. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 19, n. 2, p. 99-115, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574