TRABALHO E TERRITÓRIO: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO

Juliana Fabris, Darlan Jose Roman, Eliane Salete Filippim

Resumo


O objetivo geral do estudo é analisar a produção científica em administração sobre os temas trabalho e território, especialmente quanto aos procedimentos metodológicos utilizados nos estudos qualitativos, com base nas teses em Administração e publicações constantes na base de dados Scopus, no período 2012 a 2016. Compõem o trabalho uma análise de teses produzidas no Brasil, dos principais periódicos, autores e subtemas associados às temáticas pesquisadas, bem como, da análise qualitativa para verificar os procedimentos metodológicos utilizados nos estudos selecionados e os principais enfoques adotados. As conclusões da análise qualitativa sugerem que a dimensão territorial perpassa muitos dos estudos, mas não como enfoque principal, o que indica a possibilidade de pesquisas promissoras na área da Administração com a finalidade de observar as inter-relações entre trabalho e território.


Palavras-chave


trabalho; território; reestruturação produtiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. L. C. A nova morfologia do trabalho e as formas diferenciadas da reestruturação produtiva no Brasil dos anos 1990. Sociologia, v. 27, p. 11-25, 2014.

____. Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II. 1. ed. Rio de Janeiro: Boitempo, 2015. 447 p. (Mundo do trabalho).

BORGES, A.; CARVALHO, I. Revisitando os efeitos de lugar: segregação e acesso ao mercado de trabalho em uma metrópole brasileira. Caderno CRH, v. 30, n. 79, pp. 121-135, 2017.

BOTELHO, T. R.; TERRA, P. Relações de trabalho no Brasil, 1800-2000. Diálogos-Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História, v. 17, n. 3, pp.777-806, 2013.

DRUCK, G. A precarização social do trabalho no Brasil. In: ANTUNES, R. L. C. Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II. 1. ed. Rio de Janeiro: Boitempo, 2015. (Mundo do trabalho).

FOCHEZATTO, A. Estrutura setorial e distribuição de ocupações nas regiões brasileiras, 2006-2011. EURE (Santiago), v. 42, n. 126, pp. 237-262, 2016.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Rev. adm. empres., São Paulo, v. 35, n. 2, pp. 57-63, Abr. 1995. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

GOFFMAN, E. Asylums: Essays on the Social Situation of Mental Patients and Other Inmates. Transaction Publishers, 2007.

GONZÁLEZ-PEREIRA, B.; GUERRERO-BOTE, V. P.; MOYA-ANEGÓN, F. The SJR indicator: A new indicator of journals' scientific prestige. ArXiv, 2009. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2017.

HARVEY, D. The limits to capital (New ed.). London and New York: Verso, 1999.

HELFEN, M.; SYDOW, J. Negotiating as institutional work: The case of labour standards and international framework agreements. Organization Studies, v. 34, n. 8, pp. 1073-1098, 2013.

HEROD, A.; RAINNIE, A.; MCGRATH-CHAMP, S. Working space: why incorporating the geographical is central to theorizing work and employment practices. Work, employment and society, v. 21, n. 2, pp. 247-264, 2007.

HOWCROFT, D.; RICHARDSON, H. The back office goes global: exploring connections and contradictions in shared service centres. Work, Employment and Society, v. 26, n. 1, pp. 111-127, 2012.

ILO (International Labour Office). World of Work Report 2012: Better Jobs for a Better Economy. Geneva: ILO, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

____. Global Wage Report 2016/17: Wage inequality in the workplace. Geneva: ILO, 2016a. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

____. Non-standard employment around the world: Understanding challenges, shaping prospects. Geneva: ILO. 2016b. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

JOHNSTONE, R. et al. Beyond employment: the legal regulation of work relationships. The Federation Press, 2012.

LOPES, S. et al. A Bibliometria e a Avaliação da Produção Científica: indicadores e ferramentas. ACTAS - Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas. Anais...2012. Disponível em:

LUCAS, K.; KANG, D.; LI, Z. Workplace dignity in a total institution: Examining the experiences of Foxconn’s migrant workforce. Journal of Business Ethics, v. 114, n. 1, pp. 91-106, 2013.

MANZANO, F. A.; VELÁZQUEZ, G. A. El rol del espacio geográfico como determinante de la participación laboral. Argentina (2001-2010). Revista Tamoios, v. 12, n. 1, 2016.

MCDONALD, P.; MAYES, R.; PINI, B. Mining work, family and community: A spatially-oriented approach to the impact of the Ravensthorpe nickel mine closure in remote Australia. Journal of Industrial Relations, v. 54, n. 1, pp. 22-40, 2012.

MENEGHINI, R.; PACKER, A. L. The extent of multidisciplinary authorship of articles on scientometrics and bibliometrics in Brazil. Interciencia, v. 35, n. 7, pp. 510-14, 2010.

MINGERS, J.; LEYDESDORFF, L. A review of theory and practice in scientometrics. European Journal of Operational Research, v. 246, n. 1, pp. 1-19, 2015.

OLIVEIRA, A. A influência do território no comportamento do mercado de trabalho: notas sobre a experiência brasileira. Revista EURE (Santiago), v. 43, n. 128, pp. 81–98, 2017.

QUINLAN, M. The “Pre-Invention” of Precarious Employment: The Changing World of Work in Context. The Economic and Labour Relations Review, v. 23, n. 4, pp. 3–24, 2012.

SOLNET, D. J. et al. Modeling locational factors for tourism employment. Annals of Tourism Research, v. 45, pp. 30-45, 2014.

TAYLOR, P.; BAIN, P. ‘India calling to the far away towns’ the call centre labour process and globalization. Work, employment and society, v. 19, n. 2, pp. 261-282, 2005.

WILLIAMS, C. C.; NADIN, S. Tackling the undeclared economy in the European construction industry. Policy Studies, v. 33, n. 3, pp. 193-214, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574