Redução da jornada de trabalho e o impacto no emprego brasileiro

Magno Rogério Gomes, Solange de Cassia Inforzato de Souza, Carlos Roberto Ferreira, Sidnei Pereira do Nascimento

Resumo


Este estudo tem por objetivo analisar o impacto de uma redução da jornada de trabalho no emprego brasileiro, a partir de dados de 1995 a 2010. As fontes de dados usadas foram as da PME – Pesquisa Mensal do Emprego/IBGE, SCN2000 – Sistema de Contas Nacionais/IBGE, PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios/IBGE, MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos. Os resultados da pesquisa apontaram que os setores que mais empregam, apresentam o maior rendimento e menor jornada de trabalho, são respectivamente, serviços, indústria e comércio. A análise empírica revelou que as variáveis consumo, investimento e exportações afetam positivamente o emprego no Brasil e o salário mostrou ter uma relação inversa ao emprego. A variável relevante para este estudo, jornada de trabalho, tem um efeito inverso com a ocupação, e caso haja uma redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, serão criados mais de 467 mil novos empregos nas regiões metropolitanas analisadas.

Palavras-chave


Demanda de Trabalho. Emprego. Taxa de observância. Jornada de trabalho.

Referências


BLANCHARD, O. Macroeconomia. 4. ed.. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BATHAUS, B. C., Recuperação da Jornada de Trabalho sem Redução de Salário. Universidade Estadual de Londrina (UEL) – Departamento de Direito: TCC, Londrina. 2006

CALVETE, C. S. A redução da jornada de trabalho em questão. Ensaios FEE, Porto Alegre, v.31., n.2., 431 – 450, 2010.

CAMPOS, S. H. A questão dos determinantes dos salários nas teorias clássicas, marxista e neoclássica. Ensaios FEE, Porto Alegre, v.12., n.1., 131 – 157, 1991.

CARDOSO, A. C. M. Tempos de trabalho, tempos de não trabalho: vivências cotidianas de trabalhadores. Diss. Universidade de São Paulo, 2007.

ARNEIRO, T. L.; FERREIRA, M. C. Redução de jornada melhora a Qualidade de Vida no Trabalho? A experiência de uma organização pública brasileira.PEPSIC, v.7 n.1, p.131-158, 2008

Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC. A Jornada de Trabalho e a PEC do Desemprego. Cartilha disponível em: - Acesso em 21 de junho de 2011.

CRÉPON, B.; KRAMARZ, F. Employed 40 hours or not employed 39: Lessons from the 1982 mandatory reduction of the workweek. Journal of Political Economy, v. 110, n. 6, p. 1355-1389, 2002.

DIEESE (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos). Disponível em:. Acesso em 20 de fevereiro de 2011

DIEESE (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos). O movimento sindical luta pela redução da jornada. Conjuntura – boletim DIEESE, agosto/1997. Disponível em:. Acesso em 20 de fevereiro de 2011

DIEESE (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos): Metalúrgicos alemães conquistam jornada de 36 horas semanais. Disponível em: . Acesso em 31 de maio de 2011.

DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) – Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! - O debate sobre a redução da jornada de trabalho no Congresso Nacional. São Paulo, 11 de fevereiro de 2010 - Nota á Imprensa. Disponível em:< www.dieese.org.br/notatecnica/notaImprensaJornada0209.pdf>. Acesso em 31 de maio de 2011

DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Campanha pela Redução da Jornada de Trabalho sem Redução do Salário: Cartilha: Reduzir a Jornada é Gerar Emprego, São Paulo, 2004. Disponível em:< www.dieese.org.br/esp/cartilha_reducaojornada.pdf>. Acesso em 31 de maio de 2011.

EHRENBERG, R., SMITH, R. A Moderna economia do tabalho. 5 ed.. São Paulo: Makron Books Hucitec, 2000.

FONSECA, D. P., TOYOSHIMA. S. H., Inovações Tecnológicas e o Nível De Emprego no Curto e Longo Prazos: Um Estudo das Microrregiões Brasileiras entre 1996 E 2005. Pesquisa & Debate, São Paulo, v.21., n.1., 23-50., 2010.

GONÇALVES, J. C., Reduzir a jornada de trabalho é ampliar direitos. Novo valor econômico. 5 de março de 2010. Disponível em:< http://www.metalurgicos.org.br/materia.asp?id_CON=1078>. Acesso em 02 de abril de 2011

GONZAGA, G. M., MENEZES, N. A. F., CAMARGO, J. M. Os Efeitos da Redução da Jornada de Trabalho em 1988 Sobre o Mercado de Trabalho no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 57, n. 2, 2003.

GUJARATI, D.N. Econometria Básica. 4 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

HUNT, J. Has work-sharing worked in Germany? The Quarterly Journal of Economics, v.114, n. 1,p.117-148., 1999

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Disponível em:< http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/defaultmicro.shtm>.Acesso em 14 de novembro de 2011.

IPEADATA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Disponível em:.Acesso em 20 de abril de 2011.

JOHNSTON, J., DINARDO, J. Métodos Econométricos. 4. ed.. São Paulo: McGraw-Hill, 2001.

JUNIOR, P. F. F. A redução da jornada de trabalho e seus benefícios. Revista Eletrônica do CEMOP, n.2, setembro/2012

KEYNES, J., M. A teoria geral do emprego, do juro e da moeda. São Paulo: Atlas, 1982.

LEE, S.; MEcCANN, D.; MESSENGER, J. C.Duração do trabalho em todo o mundo. Brasília:OIT, 2009.

MOCELIN, D. G. Redução da jornada de trabalho e qualidade dos empregos: Entre o discurso, a teoria e a realidade. Revista de Sociologia e Política, v.19, n.38, 101-109, 2011

NUNES, S. P. P; NUNES R. C. Mercado de trabalho em Keynes e o papel da rigidez de salários nominais. Revista de Economia Politica, v.17, n 3, julho-setembro/1997.

PASTORE, J. O Desemprego tem cura? São Paulo: Makron Books, 1998 .

RAMOS, L., CAVALERI, R., FURTADO, L. Pnad 2007: O Estado do Mercado de Trabalho Brasileiro. Nota técnica. Nov/2008. Disponível em:< www.ipea.gov.br/sites/000/2/...mercado_de_trabalho/.../06_PNAD2007.pdf>. Acesso em 05/09/10

ROSSO S. D. A redução da Jornada e o Emprego. Seminário Internacional Emprego e Desenvolvimento Tecnológico. São Paulo, novembro/1997.

SANTOS, A. L. Recuperação do Emprego Formal e Baixo Crescimento: Impactos Sobre o Mercado de Trabalho: Tendências Recentes do Mercado. CESIT Carta Social e do Trabalho, n. 3. jan/abr 2006.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução a econometria: Uma abordagem moderna. 4. ed.. São Paulo: Cengage Learning, 2010.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574