CONTRIBUIÇÕES PARA ANÁLISE DA TECNOLOGIA E DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DE CONSTRUCAO NAVAL BRASILEIRA

Claudiana Guedes de Jesus

Resumo


Esse artigo teve como objetivo principal descrever  analiticamente as características do trabalho na indústria de construção naval brasileira, além da evolução do emprego e a descrição e implicações do desenvolvimento tecnológico da indústria com destaque para os principais centros de pesquisa e redes responsáveis por pesquisa e desenvolvimento (P&D).  O trabalho da indústria de construção naval possui características próprias, especialmente pelo fato de sua produção ser demandada  por encomendas de unidades (de alto valor agregado e tecnológico), normalmente diferentes, e possuir grande complexidade inerente ao seu processo produtivo. Desde o ano de 2015 a indústria naval passa por novo período de crise, devido a descontinuidade das políticas governamentais no país e observado na diminuição de encomendas, indicadores e pela redução no volume de emprego na indústria no país.

 


Palavras-chave


Trabalho; Tecnologia; Indústria Naval

Texto completo:

PDF

Referências


BOYER, R. New Directions in Management Practices and Work Organization, In: OECD - Conference on Technical Change as a Social Process: Society, Enterprises and Individual”, Helsinki. Dec/1989, pp. 11-13.

CALLON, M. The dynamics of techno-economic networks. In: COOMBS, R.; SAVIOTTI, P.; WALSH, V. (Ed.). Technological change and company strategies. London: Academic Press, 1992. p. 72-102.

DORES, Priscila B.; LAGE, Elisa S.; PROCESSI, Lucas D. A retomada da indústria naval brasileira. In: BNDES 60 anos: perspectivas setoriais. V. 1, 2012, p.274-299.

GITAHY, Leda. Inovação Tecnológica, subcontratação e mercado de trabalho. In: São Paulo em Perspectiva, 8 (1): jan/março, 1994. 144-153p.

GORZ, André. Métamorphoses do travail. Qête du sens, Galilée, París, 1988.

JESUS, C. G. Retomada da indústria de construção naval brasileira: reestruturação e trabalho. Campinas/SP: Tese de doutorado, DPCT/UNICAMP, 2013.

JESUS, C. G. Notas sobre a desconcentração regional da indústria de construção naval brasileira no princípio do século XXI. In: RDE - Revista de Desenvolvimento Econômico, v. XVIII, p. 685-703, 2016.

JESUS, C. G. Labour in the Brazilian Shipbuilding Industry: a contribution to an analysis on the recovery period. In: VARELA, Raquel; MURPHY, Hugh; VAN DER LINDEN, Marcel. (Org.). Shipbuilding and Ship Repair Workers around the Word. 1ed.Chicago, Amsterdam: Amsterdam University Press, Chicago Press, 2016, v. 1, p. 477-490, 2017.

JESUS, C G.; SILVA, R. D. (2017). Trabalhadores a ver navios: reflexões sobre o mercado de trabalho na indústria naval na região metropolitana do Rio de Janeiro. Cadernos Metrópole (PUCSP), v. 19, p. 225-248.

MARINS, C. Técnicas Avançadas em Planejamento e Controle da Construção Naval. Rio de Janeiro, Tese de Doutorado, UFRJ/COPPE, 2009.

MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

MATTOSO, J. Tecnologia e Emprego: uma relação conflituosa. In: São Paulo em Perspectiva, 14(3), 2000.

NEGRI, João A. de. KUBOTA, Luis C.; TURCHI, Lenita. Inovação e a Indústria Naval no Brasil. ABDI: estudos setoriais de inovação. Belo Horizonte, fev. 2009.

PEREZ, Carlota. Long Waves and World Structural Change: New Perspectives Developing Countries, In World Developing, Pergamon Press, Great Britain, v. 13, nº 3, 1985, pp. 441-463.

PIORE, Michel; SABEL, Charles. The Second Industrial Divide – possibilities for prosperity. New York, Basic Books, 1984.

SABEL, Charles F. Work and Politics - The division of labor in industry, Cambridge University Press, Cambrige, Massachusetts, 1982.

SANTOS, Gabriel S. Análise da evolução da indústria naval. Rio de Janeiro: TCC, Centro Universitário Estadual da Zona Oeste - UEZO, 2011.

SILVA, Lucas R. As transformações da seção naval do Instituto de Pesquisas Tecnológicas: aprendizagem e evolução institucional. Campinas/SP: Mestrado, DPCT-Unicamp, 2012.

SINAVAL. Perdas da Petrobras com Sete Brasil chegam perto de R$1 bilhão. Disponível em:www.sinaval.org.br, acesso em 25 de março de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574