AS RELAÇÕES DE TRABALHO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO NORDESTINO NO SECULO XXI: MODERNIZAÇÃO E PERMANÊNCIA DA SUPEREXPLORAÇÃO DO TRABALHO

Carlos Augusto Couto Xavier, Márcia de Lima Pereira Couto, José Raimundo Trindade

Resumo


Este artigo analisa a atividade canavieira, segmento produtivo historicamente caracterizado pelas péssimas condições de trabalho: baixos salários, precárias condições e alta rotatividade, porém com destacada importância econômica tanto nacional, quanto regional. Com base nesses elementos, o objetivo principal deste trabalho consiste em analisar e problematizar a evolução recente das relações de trabalho no setor sucroalcooleiro da região Nordeste neste início do século XXI, a hipótese trabalhada é que neste setor combinam-se processos de produção com elevada alteração tecnológica e formas de exploração intensiva da força de trabalho, caracterizando a permanência de formas de superexploração. Para tratar do setor faz-se uso de dados secundários do desempenho do mesmo e dados formais de emprego e renda, obtidos junto ao Ministério do Trabalho, Emprego e Renda, a partir das bases de dados RAIS (Relatório Anual de Informações Sociais) e CAGED (Cadastro Geral de Emprego e Desemprego) para o período de 2006 a 2015.


Palavras-chave


Relações de Trabalho, Setor sucroalcooleiro, Superexploração, Nordeste.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTVATER, Elmar. & MAHNKOPF, Birgit. La globalización de la inseguridad: trabajo em negro, dinero sucio y política informal. Buenos Aires: Paidós, 2008.

AMARAL, Marina Silva; CARCANHOLO, Marcelo. A superexploração do trabalho em economias dependentes. Rev. Katál. Florianópolis v. 12 n. 2 p. 216-225 jul./dez. 2009.

ANDRADE, Manuel Correia de. A terra e o homem no nordeste. 5ª Edição, São Paulo: Atlas, 1986.

ANDRADE, Manuel Correia de. Usinas e destilarias de Alagoas: uma contribuição ao estudo da produção do espaço. Maceió, EDUFAL, 1997.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Secretaria de Comércio Exterior – SECEX. Base de dados ALICE-Web. Disponível em: < http://aliceweb.mdic.gov.br>. Acesso e: 04 de março de 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED: Dados e Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: fevereiro de 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Relação Anual de Informações Sociais – RAIS: Dados e Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: fevereiro de 2016.

BUENO, Fábio Marvulle; SEABRA, Raphael Lana. O pensamento de Ruy Mauro Marini e a atualidade do conceito de superexploração do trabalho. Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina: Imperialismo, nacionalismo e militarismo no Século XXI, 14 a 17 de setembro de 2010, Londrina, UEL.

CESIT. Dossiê Reforma Trabalhista: Contribuição crítica à Reforma Trabalhista. In: Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (CESIT-IE/UNICAMP). Disponível em: http://www.cesit.net.br/dossie-reforma-trabalhista/. Acesso em: 15 out. 2017.

CONAB. Indicadores Agropecuária, Brasília, Ano XXV, n. 1, jan. 2016, p. 01-94.

DAL ROSSO, S. O Ardil da flexibilidade: os trabalhadores e a teoria do valor. São Paulo: Boitempo, 2017.

DIEESE - DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS. Metodologia da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos. Jan./2016. 7p. Disponível em: . Acesso em: 06 de abril de 2011.

______________. Rotatividade no mercado de trabalho brasileiro: 2002 a 2014./ Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. São Paulo, SP: DIEESE, 2016.

FREYSSINET, J. As trajetórias nacionais rumo à flexibilidade da relação salarial: a experiência europeia. In: GUIMARÃES, N. A. (Org.). Trabalho flexível, empregos precários? Uma comparação Brasil, França, Japão. São Paulo: Editora da USP, 2009.

HARVEY, David. A Condição Pós-Moderna: Uma Pesquisa Sobre as Origens da Mudança Cultural. São Paulo: Loyola, 1993 (5º edição).

_______________. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2010.

_______________. A Acumulação capitalista. In: Para entender O Capital. Tradução: Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

KREIN, J. D. Regulação do trabalho no contexto de crise: Brasil, 2015. MOURA, F. A. et al. (Orgs.). Trabalho em contexto de crise: regulação, informalidade e tendências setoriais. São Luís: EDUFMA, 2016.

__________. Os movimentos contraditórios da regulação do trabalho no Brasil nos anos 2000. In: Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (CESIT-IE/UNICAMP). Disponível em: http://www.cesit.net.br/os-movimentos-contraditorios-da-regulacao-do-trabalho-no-brasil-dos-anos-2000/. Acesso em: 15 out. 2017.

LIMA, J. P. R.. O Estado e Agroindustria Canavieira do Nordeste: A Acumulação Administrada. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 19, n.04, p. 431-448, 1988.

LIPIETZ, Alain. Miragens e Milagres: problemas da industrialização no terceiro mundo. São Paulo: Nobel, 1988.

____________. Audácia: Uma Alternativa Para o Século XXI. São Paulo: Nobel, 1991.

LUCE, Mahias Seibel. A superexploração da força de trabalho no Brasil. REVISTA Soc. Bras. Economia Política, São Paulo, nº 32, p. 119-141, junho-2012.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da Dependência (1973). STEDILE, J. P. & TRASPADINI, R (orgs.). Rui Mauro Marini: Vida e Obra. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

_____________________. Dialética da dependência. 1973. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2016.

_____________________. O Ciclo do Capital na Economia Dependente. FERREIRA, Carla (org.). Padrão de Reprodução do Capital. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARTINS, Carlos Eduardo. A Superexploração do Trabalho e o Neoliberalismo: A Economia Política da Dependência. In: Globalização, dependência e neoliberalismo na América Latina. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, Karl. O Capital. 4ª edição, São Paulo: Bertrand Brasil – DIFEL, 1984.

MATTEI, Lauro. Mudanças no Trabalho Rural no Limiar do Século XXI. KREIN, José Dari [et al.] (orgs.). Regulação do trabalho e instituições públicas. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED: Dados e Estatísticas. Disponível em: < http://www.mte.gov.br/caged/default.asp> Acesso em: fevereiro de 2016.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Relação Anual de Informações Sociais – RAIS: Dados e Estatísticas. Disponível em: < http://bi.mte.gov.br/bgcaged/rais.php> Acesso em: fevereiro de 2016.

MOTA, Ana Elizabete. Superexploração: uma categoria explicativa do trabalho precário. Revista Online do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior. Disponível em: . Acesso em: 20 de jan.2016.

NETO, José Meneleu. Desemprego e luta de classes: as novas determinidades do conceito marxista de exército industrial de reserva. TEIXEIRA, F. Neoliberalismo e Reestruturação Produtiva. São Paulo: Cortez, 1996.

RAMALHO, Claudilene da Costa; MOREIRA, Renata Couto. Superexploração dos cortadores de cana no agronegócio brasileiro. Revista Temporalis, Brasília (DF), ano 13, n. 26, p. 55-74, jul./dez. 2013

SANTOS, Ana Michelle Ferreira Tadeu dos; SOUZA, Francilane Eulália de. Cana doce, trabalho amargo: a superexploração do trabalhador canavieiro no município de Itaberaí-GO. Revista Pegada – vol. 13 n.2, Dezembro de 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 de fev. 2016.

SHIKIDA, P.F.A. A evolução diferenciada da agroindústria canavieira no Brasil de 1975-a 1995. Eduoeste. Cascavel, PR, 1998.VIAN,C.E.F. Agroindústria canavieira. Estratégias competitivas e modernização. Campinas, SP: Editora Átomo, 2003. 216p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574