As iniciativas de educação profissional como mecanismos de adaptação à concepção neurológica da Modernidade e ao desenvolvimento tecnológico

José Rodrigo Paprotzki Veloso

Resumo


A educação profissional foi empregada na virada do século XIX para o século XX como mecanismo de adaptação do homem à Modernidade. Motivada pela urbanização crescente, o industrialismo e a emergência de novas tecnologias, a educação profissional não apenas buscou moldar o sujeito à empresa capitalista, mas a uma nova concepção neurológica característica do regime taylorista-fordista e a sociedade disciplinar vigente. O presente artigo se vale de conceitos de Georg Simmel, Walter Benjamin, Siegfried Kracauer dentre outros para dispor como se deu esta adaptação, mas também sua reprodução ao longo do tempo com o emprego dos sistemas flexíveis de produção e, mais atualmente, com a indústria 4.0 em uma nova relação entre sociedade e tecnologia.


Palavras-chave


Educação para o trabalho; Tecnologia; Modernidade

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho. São Paulo: Editora Boitempo. 2009.

BANDEIRA, Alexandre Eslabão. O conceito de tecnologia sob o olhar do filósofo Álvaro Vieira Pinto. In: Geografia Ensino & Pesquisa, v. 15, n. 1, p. 111-114. 2011.

BELLUZZO, Luiz G. GALÍPOLO, Gabriel. A nova revolução industrial. Valor Econômico. [online] São Paulo, 1 nov. 2016. Economia. Disponível em: Acesso em: 2 nov. 2016.

BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: Ensaios Sobre Literatura e História da Cultura. São Paulo: Brasiliense. 1994.

CARDOZO, Maria José Pires Barros. A produção flexível e a formação do trabalhador: o modelo da competência e o discurso da empregabilidade. In: SOUZA, Antonia de Abreu [et. al.] (Orgs.) Trabalho, capital mundial e formação dos trabalhadores. Fortaleza: Editora SENAC Ceará: Edições UFC. 2008.

DUFOUR, Dany-Robert. A Arte de Reduzir as Cabeças. Rio de Janeiro: Ed. Cia de Freud. 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 36. ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 2007.

FREDERICO, Celso. Debord: do espetáculo ao simulacro In: Matrizes Ano 4, n. 1, jul/dez 2010. Disponível em: Acesso em 29 jun. 2016

GARCIA, Gabriel. Apple quer que as pessoas parem de dormir na frente de suas lojas. Exame. [online] São Paulo, 7 abr. 2015. Tecnologia. Disponível em: Acesso em: 2 nov. 2016.

GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. São Paulo: Editora Universidade Estadual Paulista. 1991.

HOFFMANN. Reiner. O Trabalho no Futuro. In: Perspectiva. [online] Friedrich-Ebert-Stiftung (FES) Brasil. n. 1. 2015. Disponível em: Acesso em 10 mai. 2016.

LEAL, Carlos. CORPAS, Danielle. Benjamin e Kracauer: algumas passagens. Redobra. [online] n. 14, ano 5. p. 48-57. 2014. Disponível em: Acesso em 18. Jun. 2017.

LETTIERI, Antonio. A Fábrica e a Escola. In: GORZ, Andre. Divisão Social do Trabalho e Modo de Produção Capitalista. Portugal, Porto: Publicações Escorpião. 1976.

MARCUSE, Herbert. A Ideologia da Sociedade Industrial: O Homem Unidimensional. 6. Ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores. 1982.

MORAES, Carmen Sylvia Vidigal. A socialização da força de trabalho: instrução popular e qualificação profissional no estado de São Paulo. Bragança Paulista, SP: EDUSF. 2003.

OLIVEIRA, Ramon de. Empresariado industrial e educação brasileira. São Paulo: Cortez. 2005.

PINTO, Geraldo Augusto. A Organização do Trabalho no Século XX. São Paulo: Expressão Popular. 2007.

SENAI-SP. De Homens e Máquinas: Roberto Mange e a formação profissional. São Paulo: Editora SENAI-SP. 2012a.

______. Série Metódica Ocupacional: O ensino profissional para aprender fazendo. São Paulo: Editora SENAI-SP. 2012b.

SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro: Record. 2012.

SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, Otávio (Org.) O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. In: CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa R. O Cinema e a Invenção da Vida Moderna. São Paulo: Cosac & Naify Edições. 2001.

VIDOR, George. O mercado de ‘games’ no mundo fatura mais que cinema e música, somados. O Globo. [online] Rio de janeiro, 25 mai. 2015. Economia. Disponível em: Acesso em: 24 jun. 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. Um Mapa de Ideologia. São Paulo: Ed. Contraponto. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574