A GERAÇÃO Y E OS DETERMINANTES DO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO: uma análise dos trabalhadores formais de Minas Gerais

Marcelo Henrique Shinkoda

Resumo


Este artigo analisou os primeiros impactos dos jovens nascidos na década de 1990 no intuito de identificar, a nível agregado, diferenças no comportamento no que tange à rotatividade e aos pedidos de demissão. O resultado evidencia que a rotatividade destes trabalhadores é diferenciada em momentos de crescimento econômico e que os mesmos são responsáveis por parte dos desligamentos voluntários, porém os diversos motivos que levam estes jovens às diferentes taxas de impaciência é questão para continuidade deste artigo.


Palavras-chave


Geração Y, Mercado de Trabalho, Minas Gerais

Texto completo:

PDF

Referências


Becker, Gary S. “Investiment in Capital Human: A Teorical Analisis.” The Journal of Political Economy 70, n. 5 (1962): 9-49.

Blau, Francine D., e Laurence M. Kahn. “RACE AND SEX DIFFERENCES IN QUIT BY YOUNG WORKERS.” Industrial and Labor Relations Review 34, n. 4 (July 1981): 563-577.

Corseuil, Carlos H. L., Rodrigo L. Moura, e Lauro Ramos. “DETERMINANTES DA EXPANSÃO DO EMPREGO FORMAL: O QUE EXPLICA O AUMENTO DO TAMANHO MÉDIO DOS ESTABELECIMENTOS?” Economia Aplicada 15, n. 1 (2011): 45-63.

De Negri, João Alberto et. Alli. “Mercado Formal de Trabalho: Comparação entre os Microdados da RAIS e da PNAD.” Texto para discussão (IPEA) 840 (2001): 1 a 29.

Ehremberg, R. G, e R. S. Smith. In: A Moderna Economia do Trabalho - Teoria e Política Pública, por Smith R. S. Ehremberg R. G, 793. São Paulo: Makron Books, 2000.

Furtado, André Tosi, e Ruy de Quadros Carvalho. “Padrões de intensidade tecnológica da indústria brasileira: um estudo comparativo com os países centrais.” São Paulo em Perspectiva, 2005: 70-84.

Neri Marcelo, Gonzaga Gustavo e Camargo J. M. “Salário Mínimo, "Efeito Farol" e Pobreza.” Revista de Economia Política 21 (2001): 78 - 90.

Oi, Walter Y. “The Fixed Employment Costs of Specialized Labor.” The Measurement of Labor Cost (University of Chicago Press), 1983: 63-122.

In: O Nascimento de uma nova versão de líderes., por Sidnei Oliveira. São Paulo: Integrare, 2010.

Orellano, Veronica I. F., e Ellaine T. Pazello. “EVOLUÇÃO E DETERMINANTES DA ROTATIVIDADE DA MÃO-DE-OBRA NAS FIRMAS DA INDÚSTRIA PAULISTA NA DÉCADA DE 1990.” Pesquisa e Planejamento Econômico 1, n. 36 (Abril 2006).

Orellano, Veronica, Enlinson Mattos, e Elaine Pazello. “A Substituição de Trabalhadores como Instrumento para Redução de Gastos com Salários: Evidências para a Indústria Paulista.” Revista Brasileira de Economia, 2009: 135-152.

Ralfo, Ferreira R. N e Matos. “Migração de Trabalhadores no Mercado Formal Brasileiro entre 1995 e 2003 e as Tendências da Reestruturação Territorial.” XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu-MG: ABEP, 2004.

Ramos, Carlos Alberto, e Carneiro Francisco Galrão. “Os determinantes da rotativade do trabalho no Brasil: instituições x ciclos econômicos.” Nova Economia - Belo Horizonte, 2002: 31-56.

Ribeiro, Eduardo Pontual. “Fluxos de Empregos, Fluxos de Trabalhadores e Fluxos de Postos de Trabalho no Brasil.” Revista de Economia Política 30, n. 3 (2010).

Sarathy, Ravi, e J. D. Barbosa. “Os Fatores Explicativos da Permanencia e Saida do Emprego.” Revista de Administração de Empresas, 1981: 17-29.

Taveira, Juliana Gonçalves, Eduardo Gonçalves, e Ricardo da Silva Freguglia. “Uma Análise da Mobilidade de Trabalhadores Qualificados da Indústria de Transformação Brasileira.” Revista de Economia Contemporânea, 2011: 243-270.

Tugan, Bruce. “Not Everyone Gets a Trophy: how to manage generation Y.” De Bruce Tulgan. San Francisco: APA (6th ed.), 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2319-0574